+351 937 951 720 dietistasonia@gmail.com

Tal como referido no artigo Os adocantes artificiais existem também adoçantes naturais que podem ser uma excelente alternativa. É sobre as suas características que irei escrever.

O que são adoçantes? São substitutos naturais ou artificiais do açúcar que conferem sabor doce com menor número de calorias por grama de um alimento. São compostos por substâncias edulcorantes que possuem a capacidade de adoçar em pequenas concentrações.

Cada vez mais existe uma preocupação com a saúde e o bem-estar e a procura por produtos naturais isentos de químicos, aditivos e não processados industrialmente é também cada vez maior.
Com a intenção de ir ao encontro das necessidades dos consumidores surgiram substâncias naturais com a mesma capacidade adoçante do açúcar, mas com menor valor calórico ou menor metabolização.
 Açúcar de coco
O Açúcar de Coco é extraído das flores da palma de coco. É bastante nutritivo uma vez que é rico em potássio, magnésio, zinco e ferro e é uma fonte natural de vitaminas do complexo B, principalmente B1, B2, B3 e B6.  Tem um sabor semelhante ao açúcar mascavado, mas tem um indice glicémico muito mais baixo (IG=35) que o açúcar branco (IG=68), ou seja, a absorção do açúcar de coco é mais lenta o que previne picos de insulina e produz uma libertação de energia mais gradual. Possui 36 vezes mais ferro, 4 vezes mais magnésio e 10 vezes mais zinco do que o açúcar mascavado. Além disso, também tem uma boa proporção do aminoácido glutaminaTem cerca de 92g de hidratos carbono por 100g de produto.

O maior componente do açúcar de Coco é a sacarose (70-79%) seguido de frutose (9%) e glicose(3%).

O Açúcar de Coco é um adoçante não processado, 100% natural. Pode ser usado como substituto do açúcar nas receitas de bebidas, sobremesas e também pode ser aquecido. A quantidade a utilizar é  equivalente à quantidade de açúcar (1:1).

                                                                        

 
Xarope de Agave
É extraído do Cactu Agave e tem sido usado no México desde à séculos. Como adoçante é mais saudável que o açúcar, possui uma baixo índice glicémico (IG=35) e é 1,5vezes mais doce que o açúcar. Contém inulina, uma fibra pré-biótica que ajuda o bom funcionamento do intestino. É rico em sais minerais (ferro, cálcio, potássio e magnésio) e possui cerca de 3,34Kcal por grama. Contudo, deve ser usado por moderação por diabéticos uma vez que é essencialmente constituído por frutose (50 a 70%).
O seu sabor neutro permite o uso culinário, mas em bolos recomenda-se substituir apenas metade do açúcar e reduzir a temperatura do forno em 25ºC, já que o agave pode tornar-se mais escuro mais rapidamente.
 
Stevia
É extraído da planta stevia rebaudiana nativa da América do Sul. O termo stevia refere-se habitualmente a adoçantes feitos a partir de uma preparação bruta (em pó ou em líquido) de folhas de stevia secas. A versão em pó é rica em sais minerais como magnésio, manganés, potássio, selénio, zinco e vitamina B3. Nas suas folhas encontram-se dois principais compostos glicosídeos, de sabor adocicado: esteviosídeo e o rebaudiosídeo A, que são 200 a 300 vezes mais doces que o açúcar.
A Stevia oferece aos consumidores vários possíveis benefícios para a saúde:
  • É um adoçante saudável para diabéticos – estudos demonstraram que pode ter efeitos benéficos nos níveis de insulina e glicose no sangue.
  • Não contém calorias – ajuda ao combate da obesidade, sendo que uma porção de 100 mg contém menos de meia caloria, e para além disso atenua a necessidade/desejo de comer.
  • Não é tóxica.
  • Inibe a formação da placa e da cárie dental – possui conteúdo elevado em vitamina C e em clorofila, que suprimem o crescimento bacteriano indesejado.
  • Estudos verificaram que pode ajudar a regular a tensão arterial, quando esta se encontra elevada.
  • Não contém ingredientes artificiais.
  • Pode ser usada para cozinhar.
  • Pode ser usada a nível cosmético – é usada em cremes, tornando a pele mais macia e firme, combate as impurezas, tonifica a pele e corrige as rugas.
Em 2008, vários pareceres de peritos, a Joint FAO/WHO Expert Committee on Food Additives (JECFA) e a Food and Drug Administration (FDA), indicaram o uso de glicosídeos steviol puro (≥ 95%) como sendo seguro para o consumo humano. A Dose Diária Admissível (DDA) foi fixada pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos em 4 mg/kg de peso corporal.
No mercado existe adoçante apenas de stevia ou associada a outros adoçantes (p.ex. ciclamato e sacarina).
 
Frutose
É extraída das frutas e mel. É mais doce do que a sacarose (açúcar refinado) 173 vezes. Apresenta 4 kcal/g e provoca cáries. As pessoas diabéticas devem utilizá-los com moderação e não deve ser consumido em situações de hipertrigliciridémia (excesso de frutose pode causar aumento de triglicerídeos e pessoas com problemas no metabolismo de gorduras devem evitar o consumo desse edulcorante). Estudos comprovam que o uso por tempo prolongado dificulta a absorção do cobre, mineral importante na síntese da hemoglobina (responsável pela pigmentação dos glóbulos vermelhos).
Pode ser utilizado para cozinhar.
 
 
Sorbitol
Encontrado na natureza em frutas e algas marinhas, é produzido através da hidrogenação da glicose. Apresenta poder adoçante 50% menor do que a sacarose. Possui 2,4kcal/g, mas a sua absorção é muito gradual e não altera significativamente a glicémia . Pode ser usado por diabéticos com moderação. Não provoca cáries, não é tóxico e apresenta boa estabilidade ao calor, mas perde a propriedade de adoçar. Em combinação com outros adoçantes (acessulfame-K, aspartame, ciclamato, sacarina ou esteovídeo) é utilizado na fabricação de bolachas, chocolates, pastilhas e refrigerantes. A ingestão de doses acima de 20 a 30g/dia produz efeito diurético e acima de 30 a 70g produz efeitos laxativos. Em alguns indivíduos esses efeitos ocorrem mesmo em doses baixas de 10g/dia.
O sorbitol aumenta a perda de minerais pelo organismo, principalmente o cálcio. Não existe uma IDA.
 
Manitol
É um álcool de açúcar obtido comercialmente através da redução da frutose. Possui 2,4kcal/grama e o seu poder edulcorante é 45 a 65% superior à sacarose. Não causa hiperglicemia pelo que pode ser usado por diabéticos. É bastante estável a altas temperatauras. Em doses elevadas tem efeito laxativo. A OMS estabelece uma dose diária de 50 a 150mg/kg de peso corporal, embora não tenha IDA.

Xilitol
O Xilitol é um adoçante natural extraído de plantas, frutas e vegetais, mas também é produzido pelo próprio organismo. Possui 40% menos calorias do que o açúcar normal (2.4kcal em vez de 4kcal), no entanto o seu poder adoçante é idêntico ao do açúcar. Proporciona benefícios para a saúde dentária, reduzindo o risco de cáries e formação de placa bacteriana. Este adoçante não aumenta os níveis de açúcar no sangue nem os níveis de insulina, por isso pode ser usado por diabéticos.
No entanto, e tal como acontece com outros tipos de álcool de açúcar, também pode provocar problemas digestivos e laxativos quando se ingerem doses elevadas.
Não deve ser utilizado para cozinhar ou confeccionar bolos.
Eritriol
Este adoçante é um álcool de açúcar que se encontra de forma natural em alguns frutos. No entanto, o eritritol em pó que se encontra à venda é sintetizado a partir de processos industriais.
Contem 0.24 calorias por grama, ou apenas cerca de 6% das calorias do açúcar. Ao mesmo tempo, tem um sabor 70% mais doce do que o açúcar. O eritritol não provoca o aumento dos níveis de açúcar no sangue nem dos níveis de insulina. Os estudos realizados até hoje mostram que o eritritol é seguro para consumo. No entanto, tal como acontece com outros tipos de álcool de açúcar, este também pode provocar problemas digestivos se consumir uma grande de uma só vez.
 Na tabela seguinte resumi as principais características de cada adoçante.
Características
Calorias/grama
Quantidade equivalente a 1 colher de sopa de açúcar
Origem
Açúcar de coco
Muito semelhante ao açúcar mascavado. Estável ao calor.
3,68 Kcal
1 colher de sopa
coco
Frutose
Derrete quando submetida ao calor; Carameliza quando é utilizada para cozinhar com outros adoçantes e ajuda a dar consistência aos alimentos
4 kcal
½ colher de sopa
Frutas e mel
Manitol
Estável a altas temperaturas. Usado apenas industrialmente em conjunto com o sorbitol em chocolates, pastilhas elásticas e refrigerantes
2,4 kcal
Frutas e algas marinhas (redução da frutose)
Sorbitol
Não adoça quando é utilizado a altas temperaturas. Conjugado com outros adoçantes serve como humectante, estabilizante, para dar brilho, volume e viscosidade a produtos.
2,4 kcal
2 colheres de sopa
Frutas e algas marinhas (redução da glicose)
Stevia
Pode ser utilizado para cozinhar e realça o sabor dos alimentos.
0 kcal
16mg
Extraído da planta stevia rebaudiana
Xarope de agave
Pode ser utilizado para cozinhar, mas fica com um tom mais escuro rapidamente.
3,34 kcal
10mg
Extraído do Cactu Agave
Xilitol
Utilizado pela indústria para produtos dietéticos e pastilhas elásticas
0 kcal
Extraído da xilose
Cuidados em relação ao consumo de adoçantes
– Desabitue-se gradualmente do sabor doce, reduzindo a quantidade de açúcar/adoçante que utiliza e preferindo alimentos menos doces;
– Evite o exagero no consumo de adoçantes artificiais;
– Prefira os adoçantes naturais para substituir o açúcar, mas sempre com moderação;
– Evite ingerir um excesso de produtos light (gelatina, pudins, refrigerantes, etc);
– Use um tipo de adoçante diferente a cada semana;
– Preste atenção às recomendações de consumo máximo diário de cada adoçante;
– Consuma vários tipos de adoçante e se possível utilize-os combinados, uma vez que vão conferir maior poder adoçante e por isso a quantidade a utilizar de cada um vai ser menor.

 

Lembre-se que tudo em excesso prejudica a saúde. Assim, os adoçantes  não fogem à regra e portanto devem ser consumidos com moderação.

Dicas de uma Dietista. Sabor com saúde.
Abrir Conversa
Posso ajudá-la?
Olá!
Estou aqui para ajudá-la!